Correndo solto

A melhor coisa de longões é a possibilidade de correr meio sem destino, sem hora e guiado apenas pela pura curiosidade.

É claro que, com o tempo, acabamos criando uma espécie de rota padrão que nos permita seguir em piloto automático. Mas, às vezes, as pernas tiram da mente o controle e ditam os locais que querem ir.

Essas são as melhores corridas – as que dão sentido ao treinamento e até fazem eles ficarem mais importantes do que a meta em si, mesmo que por alguns instantes.

E ao chegar em casa, naqueles segundos antes da rotina do dia se reapresentar, um conjunto de imagens tão esperadas quanto inusitadas dão uma espécie de nova definição a toda essa longa (e gratificante) jornada até Comrades.

Imagens como essa, do Parque da Água Branca, em São Paulo, que insistiu em me puxar hoje para as suas ruas e trilhas.

Correr, afinal, nos permite sentir – e não apenas ver – o mundo à nossa volta. Tem coisa melhor que isso?

20140118-105955.jpg

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s