A interdependência de mente e corpo

Dia de descanso costuma ser o dia que mais acordamos moídos.

Tornozelos, joelhos e todas as articulações pareciam duras hoje, como que coladas aos membros; pés reclamando de dor; olhos insistindo em permanecer fechados.

Mas, ainda assim, foi bom acordar na segunda sabendo que não emendaria um treino após a sequência de sexta-sábado-domingo.

Sempre ouvi que descanso também é treino – mas nunca isso ficou tão claro quanto na preparação para uma ultra. Desde que acordei – há pouco tempo, diga-se de passagem – dá para sentir os músculos se reparando, as articulações voltando ao que deveriam ser e o corpo correndo para se normalizar e se preparar para a semana.

Em paralelo, a exaustão física aos poucos vai cedendo espaço para a vontade de tomar as ruas – principalmente quando se passa por algum parque com pessoas correndo. E domar essa vontade é que passa a ser o desafio do dia.

Em algum post anterior aqui no blog, defini o treinamento para Comrades como “aprender a fazer o corpo ficar submisso à mente” (pois não se corre 89km apenas com as pernas).

Não deixa de ser irônico que, para isso, tenhamos também que pontilhar o processo de aprendizagem com momentos em que é a mente – ansiosa pela sua dose de endorfina – que precisa obedecer as imposições e limites físicos do corpo.

Uma boa engrenagem, ao que tudo indica, é sempre interdependente.

20140317-065325.jpg

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: