Deixando a mente ditar o ritmo do corpo

Ao sair para a rua ontem, estava cansado. Não só por serem 5 da manhã em ponto – horário que viabilizou correr e pegar o vôo de volta para Sampa às 8:30 – mas pelas dores musculares que já começam a se acumular.

A região do tendão direito é a que mais está sentindo. Não é nenhum tipo de lesão ou nada grave (espero!), mas aquela pontadinha chata, que parece se agravar logo depois que se corre e desaparecer na medida em que o corpo descansa.

Assim, meio dolorido e preocupado com a eventual gravidade da dor, saí pelas ruas de Joinville. A ideia era fazer algo na casa de 1h20 em ritmo lento, quase trotando. E funcionou bem no início, quando o corpo estava frio e ainda brigando com o próprio ato de despertar.

Até que, de repente, a mente voou e comecei a viajar em projetos novo, ideias e planos para a empresa nos próximos meses. Diálogos se passaram na cabeça, roteiros de ação, metas, compromissos. Tudo com a leveza que todo plano motivado carrega, incluindo doses fortes de inspiração vindas do vento.

Resultado?

20140318-082118.jpg

Basta olhar o gráfico de pace acima (ignorando apenas as faixas coloridas que aparecem nele, com o amarelo equivalente à tempo run que cortei recentemente da planilha como um todo).

Ao invés de manter o trote, o corpo foi se acelerando por conta própria até alcançar a velocidade da mente. Não tentei acelerar – ao contrário, todo esforço que fazia quando me dava conta do ritmo era no sentido de desacelerar. Mas, ainda assim, terminei mais rápido do que pretendia. E trouxe comigo uma lição: o nosso melhor acelerador natural não é a perna, o jogo de braços ou nada relacionado à biomecânica, mas sim a mente.

Se ela se descolar do corpo e começar a viajar por conta própria, o corpo entrará em um ritmo confortável, ideal para ele naquele momento e desconsiderando qualquer tipo de esforço “consciente” de controle de pace. E, ao encontrar o seu ritmo perfeito, entrará em estado total de sincronicidade.

Isso até pode parecer óbvio depois que se pensa no assunto – mas, olhando os resultados práticos, principalmente dada a forma que estava me sentindo antes de começar o treino, foi algo que realmente me surpreendeu.

E me deu também um elemento a mais de “controle” de ritmo para a Comrades: aprender a deixar a mente correr por conta própria. Descontroladamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: