Checkpoint 3: Semana de pico finalizada

Na semana passada estava um pouco preocupado com esse estágio final de treino. Não sabia se deveria considerar a Estrada Real como o longão mais forte ou se deveria puxar mais neste final de semana, nem que fosse por uma questão puramente motivacional. 

Detesto ficar no limbo da indecisão – sempre detestei. Assim, de um minuto para o outro, decidi aproveitar o feriado e inserir na sexta cedo alguma coisa na casa dos 50km. Decisão perfeita.

O treino inteiro foi em ritmo leve, fechando na média de 7m13s/ km, e incluindo uma série de subidas fortes o suficiente para simular o percurso africano. A rota em si não poderia ter sido melhor: foi uma espécie de volta por São Paulo, passando por pontos que amo correr da cidade e que funcionaram como uma espécie de viagem histórica por todos os séculos que sustentam a metrópole, desde a época da sua fundação até os movimentos dos bandeirantes, as primeiras fazendas no Morumbi, a proclamação da independência nas margens do Ipiranga, a revolução de 32, a industrialização, a decadência do centro etc. Em cada curva uma imagem diferente, uma sensação forte e, ainda bem, um ritmo se desenrolando de maneira inacreditavelmente fluida. 

No total, concluí o longão em exatos 53K ainda forte e incrivelmente inteiro. À noite estava já recuperado e hoje, domingo, saí para fechar os 90km semanais em um trote sob o sol e o céu azul do Ibirapuera. 

E, agora, enquanto escrevo este post, dá para sentir as veias pulsarem regeneração pelos tornozelos e pernas, dá para respirar mais aliviado e começar a programar a “descida” até a linha de chegada. Mas isso, claro, fica para a semana que vem. 

Para esta, o fechamento carrega duas observações: 

1) No comparativo com o ano passado, fica nítida a diferença na consistência: em 2014, o foco exclusivo em Comrades e uma falta de experiência na distância gerou um processo uniforme, constante, de evolução. Em 2015, treinos em trilhas derrubaram paces médios severamente e outras ultras de trilha (em janeiro e abril) inseriram um ingrediente a mais no caldo. Estou entrando na fase final de Comrades com a sensação de estar mais experiente e preparado do que no ano passado – mas com uma evolução de velocidade nitidamente menor. Se conseguir chegar em um tempo inferior, isso significa que experiência e mente realmente contam ainda mais do que eu imaginava. 

  
2) Mesmo sem olhar o treinamento do ano passado, essa dança de volumetria, pace e tempo fica muito clara. E quer saber? Talvez isso tenha funcionado a meu favor, me permitindo colecionar experiências diferentes sem sequer me aproximar de uma lesão. Essas experiências diferentes, repito, tem um nome: trilhas. São mais lentas, mais longas e muito mais bonitas. Geram inconsistências no ritmo, mas fazem grupos musculares diferentes trabalharem mais, fortalecem a capacidade de concentração e valem cada minuto.

  

Anúncios

2 comentários sobre “Checkpoint 3: Semana de pico finalizada

  1. Show Ricardo, você ainda está fazendo low-carb?

    Está iniciando o treino em Jejum? Está fazendo alguma reposição durante o treino ou após o treino?

    • Estou sim André! Aumentei um pouco o consumo de carboidrato (para a casa dos 74g/ dia) porque estava perdendo peso demais e ainda não fiz uma segunda leva de exames. Mas posso afirmar que, de longe, nunca me senti melhor, mais bem disposto e com uma regeneração muscular mais rápida. Queria ter descoberto isso antes!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s