Mais Training Peaks: Os números mágicos

Na segunda passada eu fiz um post sobre o uso do Training Peaks no meu treinamento, incluindo toda uma miríade de indicadores e curvas fantásticas para se conseguir enxergar a evolução.

Ainda faltava, no entanto, algum tipo de base, de parâmetro que pudesse ao menos me auxiliar no meu próprio processo.

Ei-lo aqui (ainda que repleto de “disclaimers” e alertas de que números gerais devem servir apenas de parâmetro mesmo uma vez que evoluções físicas são sempre, sempre individuais).

Tudo gira em torno do TSS

O primeiro ponto importante a se considerar é que tudo, tudo gira em torno do TSS (Training Stress Score). É em pontos de TSS que a fadiga é apontada, da mesma forma que a forma e o fitness geral. E por que isso importa? Por dar uma métrica base que sirva para se confrontar todos os indicadores.

Fadiga x Forma x Fitness

Dito isso, há a relação entre fadiga, forma e fitness. Quanto mais intenso for o treinamento, mais pontos de fadiga serão somados ao corpo. O efeito disso é sentido diretamente nos outros dois indicadores. Ou seja: suponha que o seu fitness (média exponencialmente ponderada dos TSS de 42 dias) esteja em 84, sua fadiga (média exponencialmente ponderada dos TSS de 7 dias) em 74 e sua forma (fitness do dia anterior menos fadiga do dia anterior) em 10.

Se você fizer uma série de treinamentos mais intensos – digamos, mantendo uma média de 100 TSS – sua fadiga naturalmente subirá – da mesma forma que seu fitness. Isso significa que seu corpo estará ficando mais resistente, mais forte. A contrapartida também é óbvia: a forma cairá uma vez que você estará cansado e, portanto, menos preparado para enfrentar uma prova.

Como a forma reflete o curto prazo, um descanso ou uma fase de polimento simples pode resolver isso – e um regime de treinamento intenso ao ponto de manter relativamente alta a fadiga e de evoluir positivamente o fitness o deixará em condições físicas superiores.

Como calcular as intensidades ideais dos treinos?

Pois é. Afinal, se você mergulhar em um ritmo de treino que leve o corpo a uma fadiga insana com o objetivo de aumentar o fitness, eventualmente o corpo quebrará.

O que fazer então? Como coordenar o aumento da fadiga de maneira minimamente saudável? Aqui começam os números mágicos.

Primeiro, vamos aos diferentes tipos de treino.

Normalmente, dividimos os nossos treinos em três categorias: intensos, moderados e leves ou regenerativos. De acordo com o técnico Joe Friel, é possível “traduzir” as nomenclaturas em pontos de TSS. Ou seja:

  • Treino intenso = 50% a 100% a mais que o seu fitness
  • Treino moderado = 25% a mais que o seu fitness
  • Treino leve/ regenerativo = 25% a menos que o seu fitness

 

Exemplificando com base em meus próprios indicadores

Meu fitness em 09/01/2018 estava em 84. Nesse caso, para mim:

  • Treino intenso: Entre 126 e 168 TSS
  • Treino moderado: Em torno de 105 TSS
  • Treino leve/ regenerativo: Em torno de 63 TSS

Como buscar a fadiga ideal?

Esse é um outro ponto importante. Relembrando: quando a fadiga estiver mais alta do que o fitness, a forma será negativa. Ou seja: Se, em um determinado dia, o fitness estiver em 90 e a fadiga, em 95, a forma do dia seguinte estará em -5. Uma forma negativa significa duas coisas: que você provavelmente estará cansado demais para participar de uma prova e que, ao mesmo tempo, estará aumentando o seu fitness futuro.

Mas há uma faixa perigosa de forma que precisa ser observada, ao menos segundo o Joe Friel: entre -10 e +10. Friel chama essa faixa de transicional: é normal chegar a ela em um determinado momento do treino, mas manter-se nela por muitos dias indicará uma estagnação no treino.

O que se deve buscar, então? Uma forma inferior a -10 para se crescer consistentemente o fitness ou superior a +10 para se descansar o corpo e prepará-lo para uma prova.

E qual a forma ideal para uma prova?

Aqui a conta já começa a ficar difícil por conta da individualização. Novamente de acordo com Friel, o ideal fica entre +15 a +25 (embora ele mesmo observe que alguns de seus atletas performam melhor quando a forma está entre +5 e +10).

Onde eu estava no dia da Maratona de Sorocaba? Com uma forma em +35. Ou, em outros termos, descansado ao ponto de ter perdido fitness e “esfriado” a musculatura, tendo sido possivelmente esse o motivo de eu ter me destroçado tanto para garantir um sub-4.

No final, houve um exagero na fase de polimento.

 

 

 

 

 

 

 

3 comentários em “Mais Training Peaks: Os números mágicos

Adicione o seu

  1. Muito bacana, comecei a usar também. Analisando a fase de polimento para a Maratona de Miami e comparando com a maratona anterior que fiz em setembro. Muito interessante.

Deixe uma resposta para Carlos Eduardo Fernandes de Nobrega Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: