Como fica o corpo depois do Unogwaja?

Enquanto estávamos pedalando os quase 1.700km – incluindo uma altimetria acumulada equivalente a quase 3 Everests – e correndo os 90km da Comrades, o corpo só pensava em engolir distâncias custasse o que custasse. Nossas noites na África eram feitas de descanso, de massagens, de preparações físicas e mentais para o dia seguinte.

E era sempre o dia seguinte que nos fazia fortes, inteiros, quase super-humanos dado o tanto de esforço que deixamos pelo caminho. Mas, quando não há o dia seguinte… aí o corpo decide entender-se como está: debilitado, fraco, clamando por descanso.

Normalmente, levo algo entre 2 a 4 dias pra me recuperar de uma ultra. Já se passaram 7 desde a Comrades e ainda estou fraco.

Corri um pouco na sexta passada, de volta a Cape Town: 6km apenas para sentir o corpo. Foi bom… mas as dores nos posteriores das coxas voltaram e, pior, fiquei sonado o restante do dia. Entendi que simplesmente não tinha energia.

Desde o domingo passado, aliás, baixas súbitas de energia têm sido comuns: sonos semi-alucinógenos vêm e vão, fraquezas inexplicáveis tomam conta das intenções de movimento e tudo parece mais difícil.

Até intoxicação alimentar eu peguei no meu último dia na África, me fazendo vomitar durante todo o vôo de volta.

Quando cheguei em casa, a única coisa que queria fazer era dormir. E dormi.

E acordei suavemente melhor no domingo.

Suavemente: a intoxicação já era passado, os surtos de fraqueza diminuíram mas uma dor chata na musculatura em torno do joelho esquerdo ainda se mantem aqui, presente, lembrando da recência do passado das provações.

Aos poucos, no entanto, isso tudo passará. Da mesma forma que com o próprio Unogwaja, agora é hora de encarar a recuperação um dia após o outro.

Até porque, claro, daqui a pouco já estará na hora de escolher novas aventuras, novas jornadas, novas intensidades a serem vividas!

2 comentários em “Como fica o corpo depois do Unogwaja?

Adicione o seu

  1. Frase perfeita nobre amigo Ricardo: “encarar a recuperação um dia após o outro”. Resguardada as devidas proporções, após a Comrades, fiquei 7 dias off e ainda não estou recuperado… imagine você!!! Forte abraço guerreiro!!!

    1. Dionísio, acho q a coisa mais importante q aprendi no Unogwaja foi justamente q a vida inteira deve ser vivida assim: um dia após o outro. É assim que melhor nos recuperamos, aproveitamos, desafiamos e vencemos as impossibilidades todas que sempre aparecem e, enfim, vivemos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: