Dia dos pais

Como muitos pais, todos os meus esforços na criação das minhas filhas são concentrados em dar a elas as ferramentas que julgo mais importantes para que elas construam as suas próprias vidas.

Não são tantas ferramentas assim, sendo bem sincero – mas todas são absolutamente polivalentes.

Não acredito, por exemplo, que seja possível compreender bem a vida se não lermos o máximo possível de histórias e experiências registradas pelos tantos gênios que já caminharam por esse nosso mundo.

Não acredito que seja viável nos entendermos sem testemunharmos o que o nosso corpo é capaz – e o esporte é fundamental aqui.

Não acredito que se consiga absorver o mundo sem que se tome gosto por viajá-lo, percorrê-lo, testemunhar os seus sempre tão encantadores contrastes.

E, finalmente, não acredito que consigamos crescer sem aceitar as pequenas (ou, por vezes, grandes) dores que vêm com o fechamento de capítulos de nossas histórias.

No domingo passado, Dia dos Pais, ganhei da minha filha mais velha, de 6 anos, um cartão com as quatro coisas que ela mais gosta de fazer comigo.

Ei-lo abaixo.

Poucas vezes na vida tive tanto a sensação se missão sendo cumprida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: