Do céu ao inferno

Sábado foi dia do meu primeiro simulado mais forte de triathlon, com 1.500m de natação, 50km de ciclismo e 10km de corrida pelas paisagens do Riacho Grande.

E foi absolutamente perfeito.

Nadei em um ritmo constante e mais forte que qualquer treino, mantive uma velocidade média superior ao meu normal na bike e corri tão metronomicamente quanto uma máquina. Tudo, vale ressaltar, a despeito de um dos calores mais fortes que já peguei por lá por aquelas bandas, daqueles que fritam até o mais adaptado dos quenianos ou etíopes.

No meu caso, houve ainda um bônus: foi o meu primeiro treino com o medidor de potência, gerando uma massa de dados e estatísticas pessoais excelente para brincadeiras futuras.

Perfeito, não? Mas o que aconteceu depois?

Voltei para casa, saí com a família, rodei a cidade com o peito inflado pelo simulado tão bom e, enfim, curti o sábado. Pelo menos até a noite.

Porque de repente, do nada, meu corpo decidiu praticamente colapsar.

Talvez por conta de uma barrinha estragada que comi depois do triathlon. Talvez um efeito de ter aberto a semana a -20° e fechado a +35°. Talvez… sei lá, há inúmeras possibilidades.

O que sei é que minha noite foi marcada por um shutdown total com direito a dor de barriga, ânsia de vômito, insônia e tudo mais que pode acompanhar a palavra “ruim”.

Quando acordei, no domingo, estava me sentindo como que atropelado por um pelotão de bikes: com dores musculares por todo o corpo, cabeça aérea e cansaço. Uma espécie de ressaca de ter passeado pelo céu e pelo inferno, talvez. Talvez.

Não faço ainda ideia do que aconteceu mas, na dúvida, cancelei a natação prevista para o domingo e fiquei em casa, lerdeando, deixando o mal estar me deixar lentamente enquanto a sensação de felicidade pelo simulado do sábado permanecesse lá, orgulhosamente intacta.

Em duas semanas tenho minha primeira prova, o Triday, no mesmo local e com quase a mesma distância do treinão do sábado (só que com 10km a menos de bike que, em vez de 50km, será de 10km).

Fisicamente, todos os sistemas parecem perfeitos. Só espero que não haja nenhum shutdown depois.

Um comentário em “Do céu ao inferno

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: