70.3 solo, parte 2: Ciclismo

Alguns minutos se passaram até que o trânsito aliviou e eu pudesse encontrar uma brecha para iniciar a pedalada. O tempo, no entanto, continuou seu ritmo, deixando claro que era aquilo a diferença entre uma prova pessoal e uma prova organizada, com estradas fechadas e estruturas preparadas.

Para mim, aquilo era irrelevante. Só o que importava era que ali, naquele momento, eu voava estrada afora aproveitando a interminável reta até o portal da Estrada Velha.

Seriam 5 voltas e um chorinho a mais até completar os 90km.

A primeira foi fria: ainda começava a esquentar o corpo recém saído das águas geladas da represa e sem entender direito o que aconteceu que, de repente, ele agora girava-se sobre pedais. Algum tumulto interno se fazia – mas logo seria substituído pelo vento soprando nos ouvidos a noção da velocidade.

Na segunda volta, um amigo emparelhou por alguns segundos para compartilhar o pedal. Depois saiu.

Na terceira, o cansaço começou a bater. Me lembrei que, como o 70.3 oficial seria apenas dali a uma semana, acabei não descansando nada entre o pico de treino e aquele 70.3 solo, pessoal, que estava fazendo. Senti a falta do descanso.

Quarta volta. Tudo pesava. Me sentia mais lento, contava mais quilômetros, suava mais dores.

Quinta volta. Outro amigo emparelhou comigo e, percebendo o cansaço, me lembrou que o ciclismo estava já no fim.

Até que o relógio mostrou que faltavam apenas 5km. Cinco.

O equivalente a uma ida e volta até o morro mais próximo.

Subi.

Sorri.

Desci.

E cheguei.

Dei os últimos goles de água no squeeze da bike, desmontei, apertei o botão no relógio que marcava o fim do ciclismo e o início da segunda transição e corri com ela até o rack.

Tirei capacete e óculos, guardando-os na sacola. Posicionei a bike no rack. Troquei as sapatilhas pelo tênis.

Corri até o ponto em que a corrida começaria. Somando natação, primeira transição e ciclismo, totalizava ali pouco mais de 4h15 de “prova” – perfeitamente dentro do tempo limite de 5 horas estabelecidos nas regras.

Era hora de começar a meia maratona que me levaria até o final do meu primeiro 70.3.

Eu pedalando no Riacho Grande
Eu pedalando no Riacho Grande

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: