Ohana Kahi 127.5, 28 de setembro

Triathlon é um esporte com perfil diferente da ultramaratona. E não falo aqui do óbvio de se somar à corrida outros dois esportes, claro. Falo do espírito.

Em geral, o triatleta é hipercompetitivo por natureza, como se o maior inimigo de sua vida fosse o relógio. Nada de anormal para um esporte em que a meta mais desejada – uma participação no mundial de Ironman em Kona, no Havaí – dependa diretamente de performances ridiculamente perfeitas em outras provas da franquia Ironman realizadas em outros lugares do mundo.

Bom… esse, decididamente, não é o meu caso. Meu negócio não é o relógio – eu raramente me estresso com tempos ou performances, mesmo nas mais desejadas das provas em que me inscrevo. Meu negócio é distância, é quilômetro: quanto mais, melhor. Se esses quilômetros forem encaixados então em cenários maravilhosos, daqueles que praticamente impõem sorrisos às nossas faces, tanto melhor.

Eis o Ohana Kahi

E foi justamente caçando provas mais longas – algo difícil de se encontrar pelas redondezas no calendário do triathlon – que me deparei com o Ohana Kahi.

Há, em verdade, duas versões dessa prova: uma de 255km (5 de natação, 200km de bike e 50km de corrida) e outra com metade da distância (127,5km, sendo 2,5km de natação, 100km de bike e 25km de corrida). A que acontece agora, no final de setembro, é a mais “curta” – e foi nela que me inscrevi no instante em que a descobri.

Pela Internet, ao menos, poucas provas parecem tão perfeitas, tão encaixadas no meu modo de encarar o esporte.

A Ohana Kahi é organizada por alguns dos triatletas mais celebrados do Brasil, mas sem a pretensão de se tornar gigante. É uma prova feita por quem curte o esporte para quem curte o esporte. Não há premiação, não há grandes movimentos organizacionais, não há estruturas minimamente próximas do que, por exemplo, um Ironman oferece.

Há, por outro lado, a possibilidade de se nadar no delicioso mar de Ubatuba, no litoral norte paulista; de pedalar pela icônica Rio-Santos, no meio da Mata Atlântica; de correr pela orla, tendo o mar de um lado e as montanhas do outro.

Há os benefícios de uma prova pequena, com apenas um punhado de participantes e tempos de corte para lá de generosos, permitindo que se curta a experiência sem tanto estresse ou pressão.

Há a praticidade de não precisar desmontar e remontar a bike – sempre uma dor de cabeça – ou de tremer de medo com o prospecto de um extravio de bagagem.

Então, no dia 28 de setembro, lá estarei eu largando nessa que será a maior prova de triathlon até agora.

Empolgadasso, devo acrescentar.

Ohana Kahi 127.5: Percurso de natação, com 2 voltas de 1.250m (totalizando 2,5km)
Ohana Kahi 127.5: Percurso de ciclismo, com 2 volta de 52km pela Rio-Santos (totalizando 104km)
Ohana Kahi 127.5: Percurso de corrida, com 24,7km pela orla de Ubatuba

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: