Enquanto isso, mundo afora…

Às vezes, quando submergimos no ritmo intenso de treinamento, esquecemos do tamanho da rede em torno do Unogwaja. Somos, no total, 23 - 12 atletas e 11 apoios. Todos estamos nos dedicando intensamente, seja em treinos, em organizações e/ ou em ações de arrecadação de fundos para as instituições de caridade lá da África que... Continue lendo →

A origem da lenda das meias vermelhas

Adelboden, Suiça, 14 de junho de 1944 Enquanto Sidney Feinson admirava um horizonte diferente, salpicado de picos nevados, uma única lágrima silenciosa, quase feliz, escorria de seu olhar. Havia vivido vidas inteiras nos últimos anos até aquele abençoado momento, em que sentia a intensa liberdade praticamente pela primeira vez. Quase dois anos antes, em 22... Continue lendo →

Meias vermelhas disponíveis!

Quem acompanha o Unogwaja sabe que todo o movimento capitaneado pelo grupo gira em torno de duas histórias: a de Phil Masterson-Smith, que tenho publicado em capítulos aqui no site, e a das meias vermelhas usadas todas as sextas-feiras como símbolo de união entre os que compartilham os mesmos sonhos e esperanças por um mundo... Continue lendo →

Pedalar, pedalar, pedalar

Com o fim da Maratona de Sorocaba e o qualify assegurado, o treinamento inteiro mudou de ritmo. Agora, pelo menos por algum tempo, a ordem é "pedalar, pedalar, pedalar". Se, antes, ficava sobre a bike quatro vezes por semana, agora são cinco. Agora são segundas, terças, quartas, quintas e sábados inteiramente destinados a me acostumar... Continue lendo →

As meias vermelhas chegaram

Quem acompanha a história dos Unogwaja sabe que meias vermelhas são parte integrante do movimento.  A história em si, que eventualmente contarei, remonta a prisioneiros de guerra que juraram que, se sobrevivessem aos campos de concentração, usariam meias vermelhas para se lembrarem uns dos outros para todo o sempre. A II Guerra acabou, meias foram... Continue lendo →

Mais de 75% do caminho percorrido!

Nossa meta mínima de arrecadação individual no Unogwaja é de R 50.000 - algo perto de R$ 12.000. Não é exatamente fácil, claro: converter entusiasmos alheios em promessas de apoio e, depois, promessas em doações efetivas, por mais nobre que seja a causa, requer uma certa dedicação. Algo, por exemplo, como escrever um livro inteiro... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑