Vídeo: História da Comrades

Para quem ama a rainha das ultras, esse vídeo é um achado.

Sim: os primeiros 1:45 são meio chatos, com uma introdução desnecessária – recomendo que pulem.

E sim: ele é infelizmente todo em inglês, sem legendas.

Se isso não for um problema, recomendo fortemente. Dá para entender quase toda a magia dessa corrida (e digo “quase” porque, para entendê-la por completo, só correndo os 89km que separam Durban de Pietermaritzburg).

#IComrades e os motivos para se perseguir os 90km na África

Se tem uma coisa que aprendi no mundo das ultras é que cada um dos corredores tem um motivo forte que os levou para as ruas e trilhas. Seja alguma doença grave que marcou o passado, a morte de algum ente querido ou a libertação de algum tipo de prisão mental em que viviam, todos foram empurrados para os seus tênis mais pelo coração do que pelo corpo.

Correr por correr, afinal, é algo que pode ser feito em uma voltinha simples pelo parque mais próximo. Correr por 10, 12, 15 horas a fio, mergulhando em si mesmo e sentindo a vida pulsar mais forte em cada passada, é para quem tem motivos que costumam ir além de uma mera busca por saúde (até porque, convenhamos, não dá para dizer que esse seja o mais saudável dos esportes).

E, embora a relação entre rua e pessoa seja algo totalmente individual, livre, há sempre aqueles marcos mais importantes, emblemáticos, sagrados. No mundo das ultras há o Ultra Trail du Mont Blanc, a Western States, a Marathon de Sables, a Comrades. Claro: corridas há aos montes: mas poucas conseguem superar essas quatro no tanto de significado catártico que elas trazem entre as linhas de largada e chegada.

Dessas, a organização Comrades é possivelmente a que mais entende o tanto que ela representa não apenas para os sul-africanos mas também para todos os amantes desse esporte, por todo o mundo. E, recentemente, junto com a patrocinadora da edição de 2015, eles lançaram uma campanha recente chamada #IComrades. A proposta é simples: acompanhar a trajetória de 4 corredores, com características e motivações diferentes, até a conclusão da rainha das ultras.

Os primeiros vídeos estão na playlist abaixo.

Agora é esperar os próximos passos.

Para quem quiser viver (ou reviver) a Comrades 2014…

Comrades está chegando.

Tenho postado alguns vídeos e conteúdos por aqui que, a cada vez que vejo, geram aquela mescla de expectativa com ansiedade e emoção. Quem participou de alguma edição dela sabe exatamente do que estou falando; quem quer participar, por sua vez, já fica com vontade de pular diretamente para o site da prova e confirmar a inscrição.

Em um dos últimos posts, o Eduardo Neves comentou colocando o link para um vídeo-cobertura que ele fez. Curiosamente, apesar de não nos conhecermos, nós dois corremos juntos durante quase todo o percurso – o que significa que ver a filmagem dele é como reviver cada passo que eu mesmo dei no caminho de Pietermaritzburg a Durban.

Compartilhando abaixo: