Pedal no toró

Quando liguei o GPS mara marcar o início do pedal, às 6:30 do sábado, ainda estava considerando desistir. O dia ainda estava amanhecendo, uma garoa fina alisava a lâmina de água já formada no asfalto do Riacho Grande e poucos, muito poucos ciclistas mostravam alguma disposição mínima para encarar o dilúvio que viria. Ainda assim,... Continuar Lendo →

Um saco

Ela pode ser boa pra aliviar a secura. Para acabar com as asmas que sufocam São Paulo. Para encher os reservatórios. Para fazer os olhos pararem de coçar. Para limpar um pouco a poluição. Para fazer desaparecerem os acessos de tosse da minha mulher. Para trazer aquela brisa úmida levemente fria que costuma soletrar alívio... Continuar Lendo →

Eu até tentei

Acordei cedo, ignorei as nuvens espessas, cheguei a tempo na USP. Mas aí, enquanto eu aquecia... Chuva torrencial! Raios! Relâmpagos! Queda de luz! Parece que o mundo inteiro entrou em convulsão! Bom... hora de encerrar e voltar para casa. Para os lençóis. Ainda são, afinal, 5:29 da manhã!

A chata chuva chata

A corrida é o mais simples e viável dos esportes. Pode até ter tempo feio como nos mais bíblicos dos torós - mas basta um pouco de bom humor e ele imediatamente se metamorfoseia em uma inesperada diversão. Escorregar e cair cinematograficamente? Não há corredor que não tenha enfrentado uma trilha úmida em condições adversas... Continuar Lendo →

Quando correr vira nadar

Quem estava pela região do Ibirapuera por volta das 7 da manhã de hoje certamente percebeu a chuva torrencial que desabou por São Paulo. Quando saí de casa essa chuva era uma garoa leve, mas devia mesmo ter notado a presença de nuvens negras, estilo "Independence Day", no horizonte. Resultado óbvio: foi só chegar no... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑