Princípio da especificidade?

O princípio da especificidade diz que devemos nos focar quase que exclusivamente no esporte que temos como alvo. No meu caso, ao menos no curto prazo, esse esporte é a ultramaratona, que já tem a minha dedicação total desde 2013, quando me aventurei nos 56km da Two Oceans. Mas, inegavelmente, minha velocidade passou a cair... Continuar Lendo →

Sendo Unogwaja: A guerra e as suas baixas

Não há palavra melhor para chamar a preparação para o Unogwaja que não essa: guerra. Como em uma guerra, ela acontece em todas as frentes: na emocional, pelo fundamental envolvimento de corpo e alma com a causa; na financeira, pelos esforços de arrecadação de doações até se atingir a meta; na física, pelo treinamento inimaginavelmente... Continuar Lendo →

Pedalar, pedalar, pedalar

Com o fim da Maratona de Sorocaba e o qualify assegurado, o treinamento inteiro mudou de ritmo. Agora, pelo menos por algum tempo, a ordem é "pedalar, pedalar, pedalar". Se, antes, ficava sobre a bike quatro vezes por semana, agora são cinco. Agora são segundas, terças, quartas, quintas e sábados inteiramente destinados a me acostumar... Continuar Lendo →

Checkpoint Zero: (Re)largada

Ultra Estrada Real feita, semana de recuperação vencida de maneira mais suave que o esperado. Hoje, domingo, encerra-se um ciclo e inicia-se outro: o foco total em Comrades. Tenho menos de dois meses até a largada em Durban e, verdade seja dita, os gráficos de treino do ano mostram claramente uma quantidade de altos e baixos... Continuar Lendo →

Hora de voltar para as trilhas

Rumo às Trilhas

No último mês, saí das trilhas e me foquei no asfalto. A meta: me qualificar para Comrades, onde devo voltar em 2015 em busca da back-to-back medal.

Não vou dizer que fiquei satisfeito: fiz uma maratona de SP difícil, sob um calor escorchante e que me quebrou miseravelmente, levando meu tempo para sofríveis 4h15.

Mas me qualifiquei, mesmo que em uma baia diferente da que pretendia. Hora de virar a página.

E a Maratona de São Paulo, aliás, é perfeita para isso. Sem atrativos no percurso, boa parte do tempo na Marginal, em túneis ou sobre pontes, ela marca bastante as diferenças entre trilhas e asfalto.

E dá saudade das trilhas.

Agora, no entanto, é hora de retornar a elas. Ainda não sei qual a minha próxima prova, mas estou inclinado a me inscrever em uma ultra de 50K lá em São Bento do Sapucaí no final de…

Ver o post original 22 mais palavras

Blog no WordPress.com.

Acima ↑