O calor na romaria

Quando cheguei para o treino no sábado, era todo confiança: me sentia novo, já havia rodado 140Km de bike no sábado anterior e, neste, teria uma bem vinda corrida de uma hora seguindo as (apenas) quatro no pedal. A meta, sair do km 48 da Castelo, enfrentar as paredes da Estrada de Romeiros até Itu... Continuar Lendo →

Daquelas pequeninas bênçãos maravilhosas

Acordar às 4:15 da manhã pode ser cansativo. Pedalar por horas a fio dando tiros em ladeiras e produzindo ácidos que parecem esfaquear as coxas pode ser doloroso. Desviar de carros mal humorados que cismam em se achar invisíveis pode ser irritante. Acumular quilometragens insanas por semanas seguidas pode ser até hipnótico. Mas nada, nem... Continuar Lendo →

Criando minhas próprias USPs

Saí da assessoria em que estava treinando. Verdade seja dita, já sabia desde o início que a adaptação seria algo difícil tendo em vista que, ao menos na corrida, sempre fizera minhas próprias planilhas e elas sempre funcionaram bem para os meus objetivos. Por outro lado, sabia também que, para o Unogwaja, seria necessário um... Continuar Lendo →

Altimetria da up-run

Achar altimetria em ultras é sempre um desafio à parte: são poucos os corredores que carregam GPS com baterias que durem mais que 6 ou 7 horas e, mesmo quando isso ocorre, as diferenças de medições são gritantes. Eu mesmo já testei isso quando estava correndo na argentina, repetindo rotas com o mesmo Garmin e obtendo... Continuar Lendo →

Up-run: A largada

Quem, como eu, está indo para a África buscar a medalha back-to-back da Comrades, deve estar também se perguntando sobre as diferenças de percurso em relação ao ano passado. Tudo muda: a largada é em uma avenida ampla de uma cidade grande, sobe-se MUITO mais na primeira metade e chega-se em uma pequena vila interiorana... Continuar Lendo →

Bati um papo com Bruce Fordyce

Dia desses, o Nato Amaral postou um comentário aqui no blog me falando para não esquecer de responder ao Bruce. Não entendi nada - mas depois acabei checando, no email, que ele havia feito a ponte entre o Bruce Fordyce, o maior ícone da história de Comrades, e eu. Instantes depois, ele acabou se colocando... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑